Da perifa à passarela: como regiões periféricas revelam talentos da moda

13/08/2019

Paraisópolis, a maior favela de São Paulo e uma das maiores da América Latina. Apesar do ambiente marginalizado, a moda chega e se mostra transformadora. Assim, surgiu em abril de 2014 o PIM – Periferia Inventando Moda. Criada pelo estilista Alex Santos e pelo psicólogo e produtor cultural Nil Mariano, a iniciativa oferece workshops de modelos, maquiagem e fotografia aos jovens da região, como maneira de incluir cada vez mais talentos nessa indústria.

“Tivemos que resgatar jovens da comunidade de Paraisópolis para montar o primeiro desfile. Depois de algumas edições posteriores a esta, tivemos uma procura muito grande de jovens de outras periferias de SP e mudamos o nome do projeto de Paraisópolis Inventando Moda para Periferia Inventando Moda”, destaca Alex Santos.

Preparação para desfile do PIM no CEU Paraisópolis - Crédito de imagem: divulgação/PIM

Nestes cinco anos de existência, o PIM mudou bastante. Agora o evento conta com mais público e respaldo. Exemplo disso é o apoio de uma das maiores fabricantes de denim do País, a Vicunha, que doou tecidos para a criação das peças desfiladas na 9ª edição, que aconteceu em 21 de julho.

“Projetos como esse contribuem para mudanças efetivas no mercado, conectando a comunidade com a indústria. A participação da Vicunha na iniciativa reafirma o nosso compromisso em abrir espaço e criar oportunidades para o desenvolvimento criativo e profissional de novos talentos da moda”, afirma Francisco Gonzalez, Coordenador de Marketing da Vicunha.

Look da marca Dona Genoveva, que utilizou tecidos da Vicunha para o desfile da 9ª edição do evento

Ao todo 35 marcas de regiões periféricas da cidade já participaram do PIM, com fortalecimento em busca da profissionalização. Um dos idealizadores do Periferia Inventando Moda, Alex Santos, inclusive, foi beneficiado com a repercussão da iniciativa, tendo sua estreia na 44ª Casa de Criadores. Além disso, outras grifes como a Rhythim vestiu o ator Tiago Abravanel.

Desfile Alex Santos em parceria com Van Loureiro na Casa de Criadores em 2018 - crédito de imagem: Zé Takahashi/ Fotosite

“Podemos descobrir novos talentos e até mesmo de dar a oportunidade para poderem mostrar o que sabem fazer e desenvolver. Dar a oportunidade de uma vitrine, onde muitos eventos consagrados de moda ainda não visam. Cada marca que participa do PIM acaba fortalecendo sua própria história de sua comunidade. É de nossa total convicção a existência de uma demanda de formação, capacitação e atuação no mercado da moda por parte dos jovens da comunidade de Paraisópolis, bem como de outras regiões periféricas da cidade”, afirma Nil Mariano.

A locomotiva que liga a periferia à moda não para. Por isso, a 10ª edição do PIM está prevista para acontecer em junho de 2020.

Modelo Lua Carmo (participante do PIM) no desfile do Gustavo Silverio durante SPFWN47