Lojas de departamento lideram vendas entre os canais de varejo de vestuário

07/11/2018

O comércio varejista brasileiro de vestuário movimentou 6,2 bilhões de peças e R$ 220 bilhões em 2017, com crescimento de 8% em volumes e 9% em valores, em relação a 2016. A estimativa para 2018 é a movimentação de 6,3 bilhões de peças e R$ 226 bilhões em valores, um crescimento de, respectivamente, 1,5% e 2,7% sobre 2017. Os dados fazem parte de um estudo sobre os canais de varejo vestuário, divulgado pelo IEMI.

Marcelo Prado, diretor do IEMI, afirma que, com a melhoria dos fatores econômicos em 2019 (redução da inflação e juros; melhoria no emprego e massa salarial; e expansão do crédito) as previsões preliminares apontam que o segmento de vestuário deverá apresentar expansão de 2,6% em volumes e 4,2% em valores nominais. 

Lojas de departamento especializadas lideram em receita

Ao mapear os canais de varejo de vestuário do País, o IEMI concluiu que, ao final de 2017, existiam 149,1 mil pontos de venda, considerando as lojas de departamento especializadas em vestuário, redes de pequenas, ponto de vendas independentes, os hipermercados e as magazines não especializadas em moda (as que comercializam, além de vestuário, itens de decoração, móveis, eletrônicos e outros).

As lojas de departamento especializadas em vestuário, onde estão inseridas as grandes lojas de departamento, as redes monomarcas e multimarcas e as lojas independentes representaram 98,6% dos pontos de venda espalhados pelo Brasil. Das 149 mil lojas especializadas em vestuário, 37,2% estão distribuídas pelos 571 shoppings do País e os 62,8% restantes são lojas de rua.

O canal mais representativo em volume de vendas é o de lojas independentes com 36,5% dos volumes comercializados. Esse perfil é comum a todos os públicos, exceto o feminino infantil, que tem como principal canal o de lojas de departamento especializadas.

Moda íntima tem o melhor desempenho

De todas as linhas de produto, a de moda íntima foi a única que apresentou resultado positivo quanto ao volume de peças comercializadas, crescendo 5,5% no período. Em valores, o aumento foi de 28,7%, em termos nominais, sem descontar a inflação. Com relação ao ano de 2016, a alta em 2017 foi de 9,3% em peças e 8,6% em valores. “O segmento de moda íntima/dormir sofreu com a crise em 2015 e 2016, tanto quanto os demais segmentos do vestuário, mas obteve uma recuperação bem mais rápida na retomada. Contribuíram o fato de que é um produto de primeiríssima necessidade, de menor durabilidade com peças leves e de uso diário, e que custam bem menos que as roupas em geral”, acrescenta Prado. Segundo ele, a recuperação em 2017 foi lenta e seletiva para o vestuário em geral, mas por suas características, a moda íntima/dormir perdeu menos com a crise e se recuperou melhor na retomada.

Ainda numa análise da segmentação do varejo de vestuário por linha de produto, verifica-se que a linha casual é a mais representativa, com 45,2% das peças e 52,9% dos valores comercializados no ano de 2017. A segunda linha em volume de peças é a íntima/dormir com 13,8% das peças comercializadas. Já em valores movimentados no varejo, a segunda colocação fica para a linha de moda esportiva com 12%.

No ano de 2017 em comparação com 2016, a linha casual foi a que obteve o maior resultado, quando cada segmento é analisado separadamente, tendo um crescimento de 10,3% em volume de peças e de 11,8% em valores.

“O ano de 2018 foi impactado pela interferência de movimentos externos ao mercado consumidor de moda, como a greve dos caminhoneiros, Copa do Mundo e as incertezas da eleição. Mesmo assim, as expectativas são de um crescimento nas vendas do segmento, ainda que em pequena monta, mas com perspectivas melhores para 2019”, conclui Prado.





Área do Associado
Esqueci minha senha